Brasil – Uma nação sob o lastro da corrupção

Print Friendly, PDF & Email

por Affonso Lima – 

Nunca na história recente do Brasil, se ouviu falar tanto em corrupção. Desde a sua independência em 1822 – aos dias atuais, se viu tanta gente presa e condenada por crimes de corrupção e lavagem de dinheiro, uma vergonha para um povo tão sofrido.
Já dizia o saudoso Ulisses Guimaraês, uma das poucas reservas morais deste país – em seu discurso que o imortalizou,tornando-o referência de ética e moral para um povo sedento e faminto de justiça e de verdade.
“A vida pública brasileira será também fiscalizada pelos cidadãos. Do Presidente da República ao prefeito, do senador ao vereador. A moral é o cerne da pátria. A corrupção é o cupim da República. República suja pela corrupção impune toma nas mãos de  demagogos que a pretexto de salvá-la a tiranizam. Não roubar, não deixar roubar, por na cadeia quem roube, eis o primeiro mandamento da moral pública.

Não é a Constituição perfeita. Se fosse perfeita seria irreformável. Nos 196 anos de independência do Brasil, o brasileiro nunca imaginou viver tamanha decepção e vergonha de ver aqueles que foram escolhidos para governar seu país e cuidar de suas riquezas, sendo acusados, denunciados, processados e condenados à prisão. E, até ex-presidentes da república sendo acusados  e condenados por crimes de corrupção.

A corrupção está acabando com a riqueza da nossa pátria, com a fé de um povo – deixando órfãos os filhos que não fugiram à luta. Pátria amada e saqeada por aqueles que deveriam protegê-la, que surrupiam o seu ouro –a sua água –a sua flora – suas terras – suas árvores e a sua juventude.Deitados desde o berçonos braços da corrupção, estão os corruptos alienados à espera de mais um bilhão do petrolão e deixando vazias, as mãos de toda uma nação.
Enquanto roubam a nossa riqueza, cá ficamos nós, achando graça, batendo palmas e panelas, compartilhando, curtindo a própria miséria.
Até fingimos e falamos na rede mundial que somos livres, independentes, pensamos até que podemos ir e vir, acreditamos até em papai Noel! Mas nada, estamos presos no além. Estamos reféns do medo – e vivemos sob o jugo da escravidão e a corrupção, é a moeda de troca mais valiosa em uma classe onde a verdade, a ética e a moralidade são artigos de luxo e em completo desuso.

Facebook Comments